Novo hardware da Google potencia IA;

Novo hardware da Google potencia IA
A introdução do novo hardware da Google, incluindo o Pixel 4, vem potenciar as capacidades de Inteligência Artificial, diz a GlobalData.
 
A empresa de análise de dados GlobalData “aplaudiu” a Google após os anúncios de hardware mais recentes da empresa norte-americana, garantido que o assistente virtual da empresa norte-americana melhora os dispositivos. Entre estes equipamentos está incluído o Pixel 4, cuja venda não está, de momento, prevista em Portugal.
“Em todos os anúncios de hardware da Google, houve um tema principal: o assistente melhora os dispositivos. Isso explora uma fraqueza do Siri, da Apple, que nunca foi muito inteligente, e ajuda a impulsionar o objetivo da Google de liderar uma comunidade de tecnologia que está a mudar de uma estratégia de ‘mobile-first’ para uma estratégia caracterizada por interações de Inteligência Artificial (IA), independentemente do dispositivo”.
Lynnette Luna, analista principal na GlobalData, garante que o novo Google Assistant oferece avanços no processamento de fala, o que significa que mais solicitações acontecem diretamente no telefone, em vez de irem para a nuvem. Além disso, o analista diz que a inteligência do Google Assistant é “significativamente mais ‘granular’”, ou seja, permite que os utilizadores possam fazer perguntas muito detalhadas que o assistente, mesmo assim, irá entender.
“Embora a estratégia de hardware da Google sempre tenha sido promover as suas ambições de IA, há muita falha na expansão da distribuição do smartphone Pixel. No entanto, desta vez, a empresa melhorou essas duas estratégias. Pela primeira vez, o Pixel está a ser vendido em todas as principais operadoras americanas e a expandir a distribuição para as mais pequenas. Isso é uma melhoria significativa, pois a linha Pixel está disponível em várias operadoras de outros países”. Portugal, como já foi referido, não consta no lote dos países eleitos.
“O Google Assistant também é um recurso importante nas outras introduções de hardware da empresa. Um chip de machine-learning dedicado no Nest Mini permite que o dispositivo aprenda os comandos mais comuns dos utilizadores e processe-os localmente para um tempo de resposta mais rápido, enquanto os novos Pixel Buds oferecem o Google Assistant sem o uso das mãos”.
A especialista garante haver uma corrida entre muitas empresas de eletrónica de consumo para alavancar a IA como uma maneira de “prender” os utilizadores aos seus respetivos ecossistemas. A Google é uma delas, pois a ideia é que as experiências de IA se tornem o facilitador da monetização por meio de mecanismos que aprendem os nossos desejos e necessidades antes de nós próprios e façam sugestões e transações úteis em nosso nome. “A chave, para a Google, é expandir continuamente as opções de hardware atraente a preços competitivos e com ampla distribuição”.
SUSANA MARVÃO, s.marvao@vidaeconomica.pt, 22/11/2019
Partilhar
Comentários 0

Notícias Relacionadas