Projetos de investimento terão análise e execução mais céleres;

Pedro Machado, secretário de Estado do Turismo, afirma
Projetos de investimento terão análise e execução mais céleres
Pedro Machado considera que o produto “Portugal” está a ser vendido a um preço abaixo do mercado.
As empresas e o setor privado em geral podem contar com mais celeridade na análise, avaliação e execução dos projetos de investimento. Esta foi a promessa deixada por Pedro Machado, durante a recente inauguração do Hotel INNSiD by Meliá Braga Centro.
O secretário de Estado do Turismo defendeu ainda um aumento de valor do produto “Portugal”
 
 
“Os empresários estão à espera que o Governo trate bem este trinómio: análise, decisão e concretização ou conclusão É esse o serviço que quero prestar ao país nas funções que hoje exerço. Basicamente não utilizamos a designação de Ministério da Economia mas de Ministério das Empresas, significa isso que queremos ser mais rápidos na avaliação e na análise, mais céleres na decisão para a execução e, particularmente, queremos fomentar cada vez mais a capacidade que as empresas têm não só de realizarem investimento e quiçá criarem novos investimentos, como aqui foi anunciado. Isto é uma mudança em relação a um certo paradigma que até aqui vigorava em que o Estado chamava a si parte substantiva de uma componente que era do setor privado”, afirmou Pedro Machado. 
Para Pedro Machado, “isso reveste-se de cardeal importância não só para podermos atrair e desenvolver o nosso investimento, mas muito em particular para gerar aquilo que é neste trinómio a palavra chave para os empresários, que se chama confiança”.
“Há confiança nos mercados, há confiança na capacidade de decisão do poder local, há confiança nos institutos públicos que têm todos a missão de acompanhamento e do financiamento através dos instrumentos que temos hoje disponíveis. Essa é uma das pernas essenciais para pormos os projetos a andar”, acrescentou.
“As organizações regionais e nacionais têm a missão da estruturação do produto turístico. Portugal está hoje em 25 mercados com a marca Portugal. O nosso país tem hoje 22 produtos turísticos considerados maduros, competitivos e capazes de gerar novos negócios, nomeadamente o alargamento a novos mercados.”
 
Segurança é fator de competitividade
 
“Hoje há uma apetência significativa sobre Portugal. Somos um país seguro. Isso também se transmite aos mercados. Portugal é o sétimo país mais seguro da Europa. Este é um fator incontornável da competitividade.”
“Portugal tem uma boa perceção internacional de saúde pública, independentemente de saber se internamente temos umas arestas para limar. E Portugal tem um ativo extraordinário, e o Norte tem pergaminhos sobre isso, quer na  hospitalidade quer na arte de bem receber.”
“Se a componente pública fizer o seu trabalho, se os empresários e as organizações regionais e nacionais cumprirem bem este desafio, só temos boas razões para acreditar no presente e no futuro.”
“As duas unidades hoteleiras inauguradas (Vila do Conde e Braga) significa que o Norte está pujante, que o norte está a crescer e principalmente compete-me a mim tudo fazer, na minha área e esfera de intervenção, para reforçar esta atração.”
“Nós temos já fechados novos voos para a Coreia de Sul, um mercado importante para Portugal - tivemos 100 mil dormidas se sul-coreanos em 2023, - estamos com 91 voos do Brasil para Portugal por semana, vamos iniciar voos para o Cairo, estamos a discutir voos para a Argentina e aquilo que é a nossa conectividade aérea. Reunidos estes pressupostos, há todo um ecossistema criado para que Portugal possa continuar a crescer.”
 
Trabalho em rede entre público e privado
 
“Não há turistas a mais em Portugal. Há sim este desafio de público e privado de podermos trabalhar em conjunto para que a qualidade e a experiência seja mais positiva”, referiu ainda Pedro Machado.
“Falta aqui eventualmente acrescentar um pouco de valor ao produto Portugal. Os mercados internacionais, sobretudo o americano e o brasileiro, olham para Portugal com todos estes pergaminhos e caraterísticas, havendo ainda a perceção de um valor baixo para o produto Portugal. Não significa com isso que vamos encarecer a vida dos portugueses. O turismo é bom quando é bom para todos, para aqueles que recebemos, nacionais e estrangeiros, mas também para os cidadãos e habitantes dos nossos territórios, que têm nesta indústria uma vantagem também para si.”
“Mas a perceção hoje é que a qualidade do que nós oferecemos no património, na gastronomia, nos vinhos, na experiência da Natureza está muito acima daquilo do que é o seu verdadeiro valor de mercado. Aqui há um esforço que nós poderemos acompanhar até porque estamos com muita falta de mão de obra que é preciso atacar”. Na perspetiva de secretário de Etado, “trata-se de um desafio comum para todos. O trabalho em rede, a cooperação estratégica entre o setor público  e privado é um ativo que nós não podemos desperdiçar.”
“A atividade turística é por definição uma atividade das empresas. Não é aos municípios e ao Estado que compete vender alojamento, refeições ou entretenimento. Essa é uma função das empresas”, concluiu Pedro Machado.
 
Hotel INNSiDEbyMeliá Braga Centro abriu portas
 
Com cunho português, no design, decoração e materiais, o novo hotel é resultado da restauração do Recolhimento de Santa Maria Madalena ou das Convertidas, um edifício barroco do século XVIII, localizado na zona histórica da cidade, a poucos metros da Sé e das Portas de Braga.
A propriedade de 4 estrelas apresenta 109 quartos, totalmente equipados e com uma vista fantástica para a cidade ou para os jardins. Dispõe também de salas de reuniões, spa, ginásio, restaurante, bar, duas piscinas - exterior e interior - e estacionamento. O Hotel INNSiDE Braga Centro destaca-se pelas suas instalações e serviço premium, proporcionando o equilíbrio perfeito entre modernidade, ação, relaxamento e conforto.
O restaurante “Convertidas” destaca-se como um espaço moderno e acolhedor, onde é possível saborear pratos deliciosos e desfrutar de momentos inesquecíveis, tais como, ouvir música ao vivo e descobrir exposições de arte. 
 
Arraial de São João com 300 convidados
 
Esta abertura foi marcada pela realização do habitual Arraial de São João, organizado todos os anos pelo Grupo HotiHoteis. Com boa gastronomia e muita música, típicas dos Santos Populares, nesta festa estiveram presentes cerca de 300 convidados, entre eles, agentes e operadores de turismo, entidades públicas e órgãos de comunicação social. Nesse dia, todos tiveram a oportunidade de fazer uma visita pelo hotel e conhecer em primeira mão as instalações. 
O Hotel INNSiDEbyMeliá Braga Centro reforça não só a forte posição que o grupo pretende assumir nesta região, como também o compromisso em garantir inovação e excelência no setor hoteleiro português.
VIRGÍLIO FERREIRA virgilioferreira@grupovidaeconomica.pt, 27/06/2024
Partilhar
Comentários 0